Política e algumas mortes misteriosas

Com certeza, o mundo da política é recheado de disputas e luta por poder. Desde o início da república brasileira até os dias de hoje, algumas mortes de importantes figuras da política nos chamam a atenção. Logo, imaginamos se não existe uma imensa conspiração por trás… Ou um plano surreal de entidades ou grupos de pessoas que desejam controlar o estado brasileiro? Enfim, a morte de certas figuras políticas nos abre esse precedente. Conheça agora, 3 políticos que morreram em circunstâncias misteriosas.

1) Ulysses Guimarães: Nasceu em 6 de outubro de 1916, Itirapina, São Paulo. Profissionalmente, foi professor titular de Direito Internacional Público na Universidade Presbiteriana Mackenzie.

Então, em 1964, Ulysses apoiou o golpe militar, contra o presidente eleito João Goulart. Entretanto, logo se opôs ao regime e passou a lutar pela volta da democracia. Seguidamente, em 1965, se filiou ao MDB, sendo Vice e depois presidente do partido.

Consequentemente, Guimarães foi presidente da Câmara dos Deputados em duas ocasiões distintas e também candidato à presidência da República na eleição de 1989.

No entanto, a saga de Ulysses chegara ao fim em 12 de outubro de 1992, em Angra dos Reis/RJ. Ou seja, o ex-presidente do MDB acabou morrendo em um acidente aéreo de helicóptero, ao largo de Angra. Consequentemente também morreram à esposa de Ulysses, D. Mora, o ex-senador Severo Gomes, a esposa deste e o piloto. Detalhe: o corpo de Ulysses foi o único que nunca foi encontrado.

Política e sabotagem

2) Eduardo Campos: Então candidato a presidência da república pelo PSB, para as eleições de 2014… O pernambucano Eduardo Campos embarcou pela última vez em um avião, no dia 13 de agosto de 2014. Dessa forma, ele saiu do Aeroporto Santos Dumont, Rio de janeiro, às 9h, com destino ao Guarujá para fazer campanha.

Já a caminho de Santos, por volta das 10h, o avião caiu sobre uma área residencial do bairro do Boqueirão, em São Paulo. De fato, investigações sobre uma possível sabotagem foram requisitadas pelo irmão da vítima. Consequentemente, muitos erros teriam ocorrido de acordo com o laudo do Cenipa- Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, durante o processo de aterrissagem.

Política e conspiração

3) Marielle Franco: eleita vereadora no Rio de janeiro pelo PSOL, com a quinta maior votação, Marielle foi assassinada no dia 14 de março deste ano assim como o motorista Anderson Gomes que a conduzia.

De acordo com a investigação, a ex-vereadora atuava no combate ao abuso de poder por parte de policiais em comunidades carentes. Marielle foi atingida por três tiros na cabeça e o motorista Anderson Gomes também foi baleado. Tal ato criminoso evidencia uma ação muito bem planejada, deixando no ar que foi algo realizado por profissionais.

Ainda sem solução, depois de mais de 170 dias, o caso começa a entrar para a galeria dos sem solução.

Enfim, só nos resta imaginar que tipo de motivação e interesse existe por trás de certas mortes. Logo, poderíamos citar mais e mais casos que se enquadram nesta galeria.

Portanto, não seria nenhuma surpresa… Se logo percebêssemos ou imaginássemos devido a tais fatos que houvesse uma máfia ou uma organização nas sombras coordenando tais atos na política. Teoria da conspiração? Talvez.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *