Pantera negra: uma imersão na cultura Africana

Desde 2008, o modelo Marvel de cinema introduziu cientistas, deuses nórdicos, invasores espaciais e até feiticeiros. Essas figuras superpoderosas aparecem em filmes que incorporam elementos de filmes da Segunda Guerra Mundial, invasões alienígenas e suspense aluado a conspiração. Com diferentes níveis de sucesso dramático, o quadro de uma figura de super-heróis provou ser muito maleável e rentável. Agora a Marvel com Pantera Negra enfrenta talvez o seu maior desafio – o racismo!pantera negra

Agradavelmente, a batalha de filmes de super-heróis versus grupos de ódio tende a favorecer o primeiro. As campanhas contra “Thor” para a presença de Idris Elba e contra o próprio Pantera Negra fracassaram. Elas não conseguiram diminuir o sucesso das bilheterias destes filmes. Mas enquanto “Thor”, bem como a série “Blade” apresentaram apenas um personagem negro proeminente. No entanto, Pantera Negra é uma declaração mais ousada, já que o elenco deste filme é quase inteiramente composto de pessoas negras. Essa ênfase na cultura não-branca está longe de ser profunda, pois o afro-futurismo influencia o design, os figurinos, a música e os temas do filme.

Imersão na cultura Africana

Há também detalhes antropológicos sociais, que fazem um eco da pesquisa de Victor Turner (antropólogo Britânico) sobre tribos africanas. Turner identificou que, nas culturas indígenas africanas, os indivíduos atravessam uma fase denominada de liminaridade. Algo parecido ocorre nos momentos de transição entre as fases de criança e adulto de um indivíduo. Também pode ser associada ao processo em que um civil ascende a um papel mais importante, como chefe ou rei de uma sociedade.

A liminaridade também é fundamental para a identidade de um super-herói. Muitas vezes, eles alternam fases entre lei e crime, civilização e anarquia, orgânica e tecnológica, ordinária e extraordinária. Em Pantera Negra, a liminaridade é desenvolvida literalmente em um rito de passagem que é fundamental para o drama. Felizmente, a abordagem do filme para a antropologia é a imersão cultural. Ela oferece uma experiência apaixonante para o espectador no país (ficcional) de Wakanda, anteriormente visitado em “Vingadores: Era de Ultron.

Futurismo e arte Africana

“Wakanda é gloriosamente percebido: um ambiente vibrante, ricamente detalhado e amorosamente texturizado de igualdade, onde a tradição está lado a lado com a modernidade. Outro ponto interessante são a tecnologia futurista e o traje do Pantera. A vestimenta do herói somado a maquiagem presentes no longa foram inspiradas na arte africana.

Pantera Negra

Já o ator Chadwick Boseman que interpreta o Pantera, combina o estoicismo, a incerteza e o carisma no papel. Muitas vezes ele se comunica mais através do gesto do que com o diálogo caracterizando o personagem. Detalhe: O personagem de Chadwick recebe o nome de T’Challa, sendo o rei de Wakanda.

Pantera Negra

Outro ponto importante é que uma guerra civil real ameaça Wakanda, o que não vemos em Capitão América: Guerra civil. O filme oferece uma análise aprofundada do próprio uso do poder, além do de um indivíduo. Ao contrário do Homem de Ferro e Hulk, T’Challa não é apenas um super-herói, mas um chefe de Estado. Ele é responsável pelas políticas domésticas e estrangeiras de seu país e sua relação com o resto do mundo. Os debates entre isolacionismo e intervenção ganham grandes proporções ao longo do filme, assim como as discussões sobre o tratamento de pessoas de cor. O mesmo também vale para a agenda política de Killmonger, rival do Pantera. Ela está intimamente ligada à desigualdade racial. O elenco quase inteiramente negro enfatiza essa tensão, no entanto, as políticas raciais são uma parte orgânica do drama.

As Lições deixadas pelo Pantera

Pantera Negra é um filme acessível à família como qualquer um dos seus antecessores da Marvel e pode mesmo servir para uma finalidade educacional útil. O público jovem pode ter sua curiosidade estimulada sobre as relações raciais e procurar aprender mais. Em relação a etnia e gênero, o público pode tirar uma mensagem de igualdade e cooperação. Tal como acontece com “Zootopia” e ” Moana”, a Disney demonstra a sua notável inclinação para as histórias progressivas, envolvidas em filmes de gênero divertidos.

No geral, Pantera Negra é um filme brilhantemente criado, e uma excelente adição ao mundo Marvel. Como um super-herói, T’Challa provou em “Capitão América: Guerra Civil” que pode ter muita relevância. Agora, o Pantera Negra, nos convida para sua pátria e torna o espectador muito bem-vindo de fato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *