Os fatores para um péssimo rendimento escolar

Muitos jovens, adolescentes entre 11 e 16 anos vem até mim a procura de reforço ou tentar acabar com suas deficiências em seus estudos ligados a matemática. No inicio é possível perceber que algumas coisas estão erradas, só de perceber o olhar perdido e sem motivação de alguns deles. Como professor, mesmo atuando por pouco tempo em escolas públicas, comparado a outros colegas de profissão, pude perceber que vários fatores extraescolares colaboravam de forma negativa para o péssimo desempenho de muitos alunos.

O foco em sala de aula é muito importante, e ele depende do seu equilíbrio interno. Mas quando algo perturba esse equilíbrio, o professor pode se esforçar até o seu limite que nunca vai alcançar a mente daquele aluno.

Vou citar alguns exemplos: Helen é uma ex-aluna minha, que passou por um momento muito complicado no ano de 2016. Ela tinha um amigo do peito chamado Lucas. Sempre estavam ali no intervalo (recreio) brincando e correndo um atrás do outro. Com o tempo essa amizade foi se tornando especial por parte da Helen. Com a cortesia de Lucas que sempre estava a ajuda-la e sua generosidade em comprar sempre um lanchinho para Helen, acabou fazendo com que minha ex-aluna se apaixonasse pelo garoto. Ao perceber que sua amiga nutria sentimentos por ele, Lucas começou a se aproveitar da situação para brincar com os sentimentos de Helen. O rapazinho fazia questão de investir em outras meninas e sem se importar, o fazia na frente de Helen. A pobrezinha que não estava dando conta de lidar com a situação, começou a exibir uma grande tristeza. Chorava no recreio e em casa também. Foram quatro meses de muita agonia até que o Lucas foi finalmente transferido de horário. Durante esse período, o rendimento e as notas de Helen, ficaram comprometidos. A transferência acabou ajudando a amenizar o sofrimento dela.

O que dizer então de Larissa que se automutilava, por causa de problemas em casa? A garota sempre desabafava com minha amiga e também professora de Português Juliana.   

Tudo isso, é somente um décimo dos vários casos que aparecem dentro do mundo escolar e que muitas vezes não é possível resolvê-los. 

Então, para aquele estudante que se encontra em dificuldade, peço que não desista, pois até mesmo grandes gênios tiveram dificuldades em sua vida escolar. Um deles você conhece muito bem. Isso mesmo… Conhece e já ouviu falar muitas vezes nele… Albert Einstein. Seu desenvolvimento escolar até a graduação não foi tão satisfatório. Um de seus professores de Matemática, Hermann Minkowski, ficou chocado ao ver que Einstein havia conseguido concebido em 1905, aquela que seria uma das maiores teorias para a Física de todos os tempos, a Teoria da Relatividade Restrita. Hermann disse:

“Será que é o mesmo Albert Einstein? E quem era aquele meu aluno há alguns anos atrás? Naquela época ele parecia conhecer muito pouco do que lhe era ensinado.”

Na verdade, os fatores que podem influenciar no seu rendimento escolar podem ser inúmeros, mas todo mundo tem talento apesar da adversidade. O que você não pode aceitar é desistir!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *