O tempo

O tempo passa e a vida corre como um carro em arrancada. O tempo imutável, onipresente e incansável me diz:

— Quanto tempo você vai ficar analisando as oportunidades a sua volta Ted? Não vai agir? Olha aquela garota loira que acabou de passar a sua frente… Ela pode não desfilar na sua rua aqui amanhã.

— Eu não estou pronto meu amigo.

— Lembre-se que eu permanecerei aqui, mas você terá de ir embora um dia. Espero que não se arrependa de suas escolhas, pois eu não volto.

20 anos depois

Eu estava a chorar e me lembrar de como a deixei ir… Aqueles longos cabelos sedosos e volumosos, capazes de reluzir com a luz do sol. O tempo ainda não havia voltado a aparecer, mas seu recado daquele dia apertava meu coração. Eu sentia que ele me acompanhava sem perceber… A cada hora… A cada minuto… A cada dia que se passava.

Fui enganado várias vezes pelos olhos encravados da minha face. A cada tentativa de enxergar a perfeição do outro e do belo, da amizade que brota ao nosso lado e da santidade obscura que nos é oferecida. Tudo isso, foi minando meu coração que se levantava com dificuldade a cada decepção. Eu me via como um valente espartano que nunca desistia, mas sem a humildade de um verdadeiro guerreiro em aceitar o óbvio: que às vezes seu adversário é superior a você. Era para aceitar a derrota e seguir em frente, entregar o coração a quem merecia, mas eu em meu orgulho me negava a declarar a derrota.

Aparentemente começava mais um dia e eu me vestia para mais uma batalha e no meu íntimo eu sentia uma agonia e um aperto em meu peito. Havia uma voz que me dizia lá no fundo: acabou, é o fim. Então calcei minhas botas, vesti minha roupa e peguei minha mochila. Aquilo tudo parecia mais um ritual do guerreiro que se preparava para a guerra com sua armadura acompanhada de suas melhores armas.

Logo chegava o último ato, a noite caía limpa cravada de estrelas e uma lua cheia brilhante como pedra preciosa. Com ela veio a tristeza e a frustração de tentar mudar o jeito de pensar e de agir da pessoa que você se importa, a seu respeito. Entretanto algumas pessoas são rodeadas e perseguidas pelos seus fantasmas do passado, sendo então impedidas de seguir em frente.

Foi então que ao caminhar lentamente pela pista de corrida, enfeitada por algumas árvores verdejantes e floridas, no  parque da misericórdia, que o tempo apareceu novamente. Trajado com um sobretudo branco e uma gravata negra ele me disse:

— Olá, há quanto tempo Ted.

— Oi, você veio cumprir seu trabalho não é?

— Pois é! Espero que não tenha se arrependido das coisas que fez e que não fez.

— Você tinha razão em uma coisa, eu não dei atenção as pessoas que me queria bem. Eu falhei!

— Se é que isso pode amenizar seu sofrimento, você vai para um lugar aonde não existe o sentimento de saudade, assim não caberá espaço para pensar naquilo que não aconteceu. Ok?

Depois de breves minutos eu consegui enxergar por um instante a mesma garota loira da minha adolescência. Ela passava bem diante de mim, mas não me notava. Logo, em seguida, lágrimas quentes desciam sobre meu rosto e foi assim que eu abracei o tempo. E o meu corpo se esfarelou com o vento.    

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *