Um complô das trevas dentro de uma sala de aula

Quantas vezes vimos ou vemos falar de professor(a) que teve problemas na escola ou em sala de aula, por causa de violência de alunos? Na maioria das vezes, a origem para tal ato acaba sendo algo corriqueiro. O relato abaixo, de um adolescente de 16 anos, estudante de escola pública, conta o que os alunos da sua turma fazem dentro da sua sala e também nos mostra os motivos para tal comportamento. 

“Minha escola é estadual e de periferia. A comunidade absorvida pela instituição de ensino é de baixa renda. Dentro da escola, o clima é até bem tranquilo, sem brigas, som no recreio e uma boa merenda. Porém, o problema parece estar nos próprios alunos. Muitas vezes, por não irem com a cara de um professor ou porque não querem fazer nada, eles começam a planejar algo contra esse professor(a). Alguns estão ali somente para atrapalhar quem não quer estudar. Além de conversarem bastante, ficam assobiando e brincando. É certo que alguns professores não interagem com os alunos, e algumas aulas dão até sono. Os alunos costumam retribuir o que eles pensam dos professores, e se os professores os tratam bem, eles interagem mais e curtem mais as aulas. Porém, nada justifica tal comportamento por parte dos alunos. Os professores que mais sofrem na minha classe são o de Artes e a de Português. Tem aula que o professor até para com ela. Na minha opinião, eu acho que estes indivíduos que são meus colegas de classe, planejam algo mais sério contra os professores e deve acontecer em breve. É um verdadeiro complô das trevas dentro de uma sala de aula.” Abaixo, o jovem Leonardo:

Este foi um relato feito pelo Leonardo, Estudante de uma Escola Estadual de Contagem. Vamos lá pessoal… Vamos mudar nossa mentalidade, assim como se exige do professor, também o aluno deve fazer sua parte para conseguirmos transformar a escola em um lugar bacana, se não cenas como essas abaixo se repetirão sempre e o aluno não terá nenhum direito a reclamação:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *